Olhe as estrelas

Calvin and Hobbes

If people sat outside and looked at the stars each night I bet they would live a lot differently. – Calvin

Windows XP, 2001-2014

Hoje a Microsoft encerra o suporte para o Windows XP, Office 2003 e Internet Explorer 6, 7 e 8. Ainda assim o desaparecimento destas versões está longe de acontecer: 95% dos ATMs do mundo ainda usam Windows XP e alguns países estão pagando pela extensão do suporte aos seus sistemas governamentais; o Reino Unido pagou 5 milhões de libras por mais um ano e a Holanda também negocia um acordo semelhante.

Da minha parte, nos sistemas e websites que desenvolvo, não vou mais garantir compatibilidade com IE 6 e 7.

Windows XP
Born: 10/25/2001
Died: 04/08/2014
Windows XP, son of Windows NT4 and Windows ME, has died this morning after a long battle with multiple viral infections.
Windows XP was born in Redmond, WA in October of 2001 as the middle child of 3. At an early age, XP (as he liked to be called) showed great strength and promise as the most gifted of the Windows family. XP looked up to his older sister, Windows 2000, who taught him the ways of the operating system. When his younger brother with development disabilities was born, Windows Vista, he was always willing to bear the load to help keep the family together. Though never married, XP would later adopt a child, Windows 7, to carry on the proud family traditions and preserve the Windows family legacy. XP served as family patriarch when the Windows family settled their long feud with the Macintosh family.
In his later years, XP began to suffer from long term health complications to internet exposure. Born without ASLR or DEP (though which doctors were eventually to implant), XP was unable to fight off the multiple viral infections which would later claim its life.
XP is survived by his son, Windows 7, and his grandsons Windows 8 and Windows 8.1. (Reddit)

"Bliss", versão Office Space

“Bliss”, versão Office Space

Bad, bad blocks

HD Tune

HD Tune

Obsolescência e substituição

A primeira falha de desgaste do meu notebook foi na duração da bateria, que foi encurtando até durar apenas dois ou três minutos fora da tomada. Um dia parou de ligar de vez e, após alguns minutos de pânico, descobri que funcionava normalmente depois de remover as células de bateria. Pensei “tudo bem, agora até ficou mais leve” e não me preocupei mais.

Depois foi uma falha no disco rígido que deixou o Windows 7 e até mesmo o Ubuntu da outra partição lentos e com travamentos ocasionais. Formatei na hora sem preocupações já que meu backup estava atualizado e íntegro. Pensei “tudo bem, não sei o motivo da falha mas agora está funcionando, que é o que importa” e não me preocupei mais.

Um dia o pino do conector da fonte quebrou. Pensei “tudo bem, tenho uma fonte reserva do notebook antigo”, passei a usá-la e de novo não me preocupei mais.

Há pouco tempo o teclado parou de funcionar. Numa noite estava tudo certo, na manhã seguinte ao ligar nenhuma tecla pressionada dava resposta na tela. Desmontei, reconectei e nada. Comprei outro teclado, instalei e pensei “tudo bem, deve ser um desgaste natural” mas não consegui deixar de me preocupar com outros desgastes silenciosos que eu não tinha conhecimento.

De algumas semanas pra cá ele começou a dar dores de cabeça ocasionais para ligar, algumas vezes também para desligar. 20 minutos de boot inicial quase passaram a ser rotina. Pensei “começaram os últimos dias” e fiquei bem preocupado.

Hoje ele foi além e exigiu um checkdisk que durou mais de quatro horas. Ao final, o boot levou quarenta minutos. Agora está funcionando, mas o LED de atividade do disco rígido praticamente não apaga, indicando alguma atividade anormal acontecendo.

Pensei reformatar novamente, ou em comprar outro disco rígido, pensei também em quanto mais iria gastar em possíveis novas substituições. Considerei os quatro anos de uso intenso que fiz do equipamento, sendo que em três deles devo tê-lo desligado só uma meia dúzia de vezes, sempre deixando em hibernação.

Acabei decidindo por um notebook novo. Não era um movimento planejado para agora, mas o notebook é meu moneymaker e não posso trabalhar sem confiança na ferramenta. Enquanto aguardo a entrega apelo para o pensamento positivo para que a máquina aguente até lá; por via das dúvidas não irei mais desligá-la.

20140404-212742.jpg

O segredo que compartilhamos

Ótima palestra no TED de Andrew Salomon: “Depression, the secret we share” (vídeo abaixo, legendado em português).

O oposto de depressão não é felicidade, e sim vitalidade, e a vitalidade parecia fugir de mim naquele momento. Tudo que eu fazia parecia ser trabalhoso demais. Eu chegava em casa, via a luz da secretária eletrônica piscando, e não me animava a saber dos amigos. Eu pensava: “Quanta gente para ligar de volta.” Ou decidia almoçar, e aí pensava em ter que pegar a comida, colocá-la no prato, cortá-la, mastigá-la e engoli-la, e me sentia em uma Via Crucis.

Era o sentimento constante, como o de estar andando, escorregar ou tropeçar, e o chão vir a seu encontro, mas em vez de um durar um segundo, ele durou 6 meses. É uma sensação de medo permanente, mas sem saber do que se tem medo. E foi aí que comecei a pensar que era muito sofrido viver, e a única razão de não me matar, era a de não fazer os outros sofrerem.

Há três coisas que tendemos a confundir: depressão, sentimento de luto e tristeza. O luto é explicitamente reativo. Se você vive uma perda, sente-se muito infeliz, e, seis meses depois, você ainda está muito triste, mas um pouco melhor, provavelmente, é luto. e provavelmente se resolverá de alguma forma. Se você vivencia uma perda catastrófica, sente-se péssimo, e, seis meses depois, continua muito mal, talvez seja depressão desencadeada pelas circunstâncias catastróficas. A trajetória nos diz muito. As pessoas pensam em depressão apenas como tristeza. Ela é excesso de tristeza, excesso de luto, por uma causa qualquer.

As pessoas dizem: “Mas a depressão não é parte do que devemos vivenciar? Não evoluímos para ter depressão? Não é parte da personalidade?” Eu diria: o humor é adaptável. Ser capaz de sentir tristeza, medo, alegria, prazer e todos os outros humores é muito valioso. Depressão severa é algo que acontece quando esse sistema se rompe, fica mal ajustado. As pessoas me dizem: “Penso que, se ficar firme por mais um ano, consigo me livrar dela.” Sempre digo: “Talvez consiga, mas jamais terá 37 anos de novo. A vida é curta, é mais um ano inteiro, do qual você desistirá. Pense nisso.”

Acho que ao odiar estar deprimido, e odiaria novamente, descobri um jeito de amar minha depressão. Eu a amo por ela ter me forçado a buscar alegria e a me agarrar a ela. Eu a amo porque, todos os dias, eu decido, às vezes com bravura, e outras, contra a razão do momento, agarrar-me às razões de viver. E isso é um grande privilégio.

Canções de ninar – Gojira

O álbum “L’Enfant Sauvage” do Gojira é a minha coletânea de canções de ninar desta semana. Serviu também como trilha sonora motivadora para enfrentar a massa humana desvairada do metrô em horário de pico.

O primeiro bug de computador

Ontem fez 66 anos que um inseto (“bug”, em inglês) ficou preso em um dos interruptores eletromecânicos do computador Harvard Mark II. Desde então o termo “bug” passou a significar defeito de funcionamento de hardware ou software.

O insetinho foi descoberto por uma mulher militar, Grace Hopper, programadora que criou as bases da linguagem COBOL. Nas décadas de 1950/60 a carreira de programação era dominada pelas mulheres, ao contrário do que acontece hoje – quem sabe se ainda fosse assim teríamos registros caprichados como o dela, que até colou a mariposa no caderno de ocorrências.

E pelas contribuições que a sra. Hopper deu para a Marinha americana e para a história da computação, hoje existe um DESTROYER com o nome dela, o USS Hopper.

O primeiro bug de computador

O primeiro bug de computador

The Pixar Theory: Every Character Lives in the Same Universe

Estariam todos os filmes da Pixar unidos em um mesmo universo e relatando pontos diferentes de uma mesma linha de tempo?

The Pixar Theory: Every Character Lives in the Same Universe

“But her [Boo] love for Sully is, after all, the crux of the entire Pixar universe. The love of different people of different ages and even different species finding ways to live on Earth without destroying it because of a lust for energy.”

Mind Your Manners – Pearl Jam

Música nova do Pearl Jam, “Mind Your Manners”.

Esquecido, buscador AltaVista será encerrado

Esquecido, buscador AltaVista será encerrado

“A maior surpresa para muita gente ao ler sobre o fim do AltaVista é o fato de que ele ainda estava ativo.”